EmTerra

9 de novembro de 2013

Talvez meu corpo seja alma.

Talvez nesse reflexo torto

de meio sorriso morto,

sinta calma.

Relâmpagos de reflexões.

Infinitas visões.

Teorias, teoremas, distorções.

Talvez viver a vida seja pouco.

Quero-a louca, solta, rouca.

Talvez minha alma seja corpo.

Tem treta nas transgressões.

Sintonia nas tensões.

Entre trilhas travadas,

trovoadas e trovões.

Talvez nosso corpo seja um nó.

E amarrados numa vida estacionada,

nossa alma é uma só.

Anúncios

Mais Claro Que Transparente

20 de março de 2012

Não me importo de termos mundos diferentes.

Desde que a nossa vontade seja igual.

Do platônico ao real.

Game Over Love Rules. But I Can Sing a Simple Blues.

26 de julho de 2011

She cut out my heart

Today I cut my hair

The Love game is an art

The Life game is unfair

She gave up playing

I should understand

There is a past in the way

but i can’t just be her lover friend.

Maybe it’s better to go deep in the shadow of my loser steps

Or to be far away from the next passion match

Baby I want to know which truth to support

Playing with souls can be a siclky sport

Your sexy accent is still on my lonely bed

Night and day I try to find a way to forget

Cause it is so hard to live without you

Much more than it’s supposed to

Start loving with wisdom

Try one day believing in share

Love is not a self freedom

Love is each other`s care.

Meio e Termo

10 de junho de 2009
Novo eu. Nova parte.
Mais de um ano sem poesia.
Idiossincrasia da palavra.
Energia que não se reparte.
Difícil visão.
Excessiva imaginação.
Esquizofrenia?
Não.
“Esquizofrenarte”!

Digerido

3 de março de 2008
Eu tô perdendo os excessos.
Eu tô ficando sem graça.
Morno, refém um de ego seleto.
E daí ?

Eu tô vendedo os excessos.
Abandonando a pirraça.
E com ela,
meus extremos incompletos.
E daí ?

Eu tô entregando os excessos.
maturidade me caça.
como fuga,
liberto meus protestos.
E daí ?

E nessa falha me vou…

Feito um bobo metido a profeta,
dono de verdades absurdas
oriundas de uma tranquilidade arrogante
há muito estável,
diria adulta. Diria ininterrupta.

Diria que nasceu a era de um novo tempo
aonde impera o prazer da conduta.
Cessaram espaços para atitudes poéticas,
maestrante das guerras de penosas disputas.
Coisas importantes aconteceram na gruta.
Lanternas revelaram o caos das lutas.
E no reflexo decidi iluminar a caverna
com a sábia paz de quem só quer renascer.
Dessa forma ninguém mais surta.
É uma outra espécie de querer.
É um outro tipo de labuta.
Diria.

E nessa falta me vou…

Feito um adolescente cheio de energia
que acabara de enfraquecer a visão
em uma batalha que nem mesmo
sabia para quem serviria. Mas serve.
E vem se reproduzindo
com tudo o que sentiu e sente
a cada tentativa nula
que por vezes extravasa em terapêuticas teclas.
Tudo para iluminar o breu da gruta
sem desgastar o brilho das pedras
para não ofuscar a esperança dos faróis.
Uma vez que a visão agora é turva.
De olhar amarrado. Inseguro.
Cego de nós.

E nessa falta me vou…

Analisando as ondas que batem nas pedras.
O quanto são irregulares, brutas, de natureza incerta.
Águas intensas que volta e meia ainda atingem a gruta,
espalhando os redemoinhos mais importantes.
Marés passageiras são a bússola
dos inexperientes navegantes.
Aonde jaz o eloquente,
sobrevive o paciente.
Assim é a vida. Assim são as regras.
Assim são as dúvidas e seus restos.
Sobras submersas na vontade afogada
que me impulsiona ao adiante.

E nessa falta me vou…

Beirando a paz ranzinza e antipática.
Saudade dos Extremos. Saudade dos excessos.
Saudade das falácias.
Uma saudade que já não faz falta, é costumeira.
Pois definitivamente eu tô refém da nostalgia.
Mas esta é bem diferente.
Porque afinal eu fiquei seleto.
Eu fiquei sem graça.
Sem extremo, sem excesso.
Ainda bem.

O Quase, querendo atenção

18 de janeiro de 2008

Adoro aparecer, fazer o quê? Nasci assim, com máscaras variadas, desgovernadas, que visam a entreter o não e o sim. Há quem as aprecie. Há quem faça piada. Há quem nada veja em meu jardim. Há quem ame, há quem odeie e até quem reclame por expor-me assim. E por mais borrados os tais rascunhos de pessoa, banco o esboço com expressão no punho, independente de como o rabisco ecoa. Emito meu certo errado sem temer aquele que lê, seja nos momentos de grandeza em que abusei do que não pude ter, ou nos de extrema fraqueza em que passei por “boas” sem usar dublê.

Minha platéia? Nunca foi problema. Medo maior é cair em clichê, como os fracos que escondem seus dilemas manipulando as cenas… deixando toda a honestidade que havia em si, morrer. Agem nos bastidores por temerem a opinião dos demais. Estes, sim, são perigosos atores, carentes de valores emocionais. Estrelas passageiras do supérfluo medo do “vencer” ou “perder”. E para não ser escravo desse ego sagaz eu os encaro, eu piso, eu falo. Dificilmente minto. Raramente calo. E quando vejo que falho corro atrás. Mas sem me desculpar por entrelinhas como gente mesquinha faz. Para tais animadores lhes confesso que jogo, porque infelizmente jogam demais. Preferem blefar ao pôr as cartas na mesa, feito coringas de uma tristeza voraz, que não se deixa transparecer.  Geniais profissionais, reconheço. Só deveriam aprender que apenas o perdão e as boas atitudes são dignas da paz que tanto almejam.

Venho de outra escola, criado num cenário sem cortinas. Não careço delas para me proteger enquanto lacrimejo o que não pôde ser. Panos rubros sempre foram peçonhentos demais para esconder um sagitariano apaixonado, que adora se promover. Um cara quase desprovido de mistério, quase desinteressante, tão difícil quanto fácil de conviver. Depende daquilo que você planta em meu instante, daquilo que você deseja colher, porque o que existe em mim vem com bula, para que fique claro aos mais ignorantes meus momentos de glória e de vexame, de ódio e de ternura, de alegria e de tédio, mesmo que essa louca carência de dividir o palco me destrua, transformando-me num solitário farejador de aventura, um Peter Pan em busca de assédio.

E não se engane: Eu me importo muito com o cachê. Por trás de cada terno que visto há uma postura de quem compra querendo vender. Pago para ver a reação do público perante minhas travessuras apresentadas em facetas duras, protegidas por armaduras boas e ruins. Ora convincentes. Ora tolas e inconvenientes. Nunca escondi meus demônios mesmo, quiçá os querubins. E é bom certo cuidado, não abandono nenhum dos dois. Depende de como você se quer adorado sabendo que será julgado depois. Afinal é difícil saber de imediato se lhe darei meu céu ou meu inferno, quem sabe os dois? Ambos estão abertos e a casa é confiável. Só tira o sapato antes de entrar. A faxina é constante e as chaves ficam comigo para regular a forma pela qual pretendes pisar. Afinal de contas, um pouco de prevenção se faz preciso, já que o radar da curiosidade alheia me deixa atordoado, a espera das flores que devem chegar, ou, vai saber, dos granizos.

Portanto, caro convidado, amigo ou inimigo, tens conhecimento suficiente das normas da casa e deve utilizá-las sempre que preciso, assim como a sua função quando dentro dela. E pareça-lhe ou não superficial a forma com que o anfitrião se comporta, não fará tanta diferença… não é por sua opinião que ele se molda. As satisfações foram um convite para te preservares ao abrir a porta, que raramente fica trancada. É a pretensa maneira de um ser que me acompanhará sempre, como necessidade fundamental de uma passageira estada, de forma concreta e transparente, porque aprecio divulgar de cara limpa meu tudo e meu nada. E a este tipo de jornada eu chamo vida. E vida não se pode esconder. Antes tê-la polêmica do que engasgada. E por amá-la e odiá-la incessantemente assumo-a plenamente, guiando-a como sempre fiz, através das águas frias e calmas, agitadas e quentes, que movimentam ondas de marés pouco inocentes, revelando um ser de altos e baixos, quase sempre querido, quase sempre amigo… quase sempre feliz.

Amor Por Meio Dia

16 de janeiro de 2008

A meia-noite se despia
Na inocência ardente de quem tanto queria

Ao meio-dia se vestia
E com palavras carentes se despedia

Das lágrimas a certeza comovente
de quem se deitara com quem não devia
Na inocência valente de quem no fundo sabia
E conseguindo aquilo que não merecia, se encolhia
E de palavras ausentes padecia.

Tudo o que Carece Varal – Samba do bloco carnavalesco Fogo na Cueca

11 de janeiro de 2008
 
Fogo na peça indumentária
que protege a jumentalha
do boêmio folião.

Filhos da bebedeira,
que fazem das cinzas, quarta-feira
de pura celebração.

Fogo em tudo o que carece varal.
Fogo em tudo o que parece normal.
Fogo em forma de cueca
Deixa o sapo ver a perereca
Chega de esconder cartão postal.

Taca fogo na cueca que o verão vai ajudar
É melhor mover as pernas, impossível segurar. (Refrão)
Folia mais importante a gente sabe que não dá
É o bloco do Mirante botando a cueca pra girar
Gira de cá, gira de lá, de lá girou
Gira a cueca pra espantar nosso pudor.
Gira de cá, gira de lá, de lá girou
Gira a cueca pra ganhar um novo amor.

Fogo aos amantes da cachaça,
soldados da ressaca em sal.
Unidos pela sintonia da alegria no carnaval.
Fogo em tudo o que carece varal.
Fogo em tudo o que parece normal
Fogo em toda forma de cueca
Deixa o sapo ver a perereca
Chega de esconder cartão postal.

 

Para além de onde o dedo aponta

20 de novembro de 2007
Julgar é ser capaz de discernir.
Não fazê-lo é negar a si.
Julgar sem dizer é omitir.
Omitir o dizer é calar-se ao saber.
É a fraqueza do dedo.
É o abandono do ser pelo medo.
Saber julgar é saber existir.
É saber, ao menos,
 aonde não ir.

# $%&*@#*! ?

3 de outubro de 2007
Por que
Faustão aos domingos
se o domingo é naturalmente pesado ?
 

Por que
Toquinho é Paulista
se lhe corre um Rio letrado ?

Por que
Galvão Bueno pergunta
se sempre discorda do Arnaldo ?

Por que
Vivermos de ideologia
se Cazuza viveu do “exagerado” ?

Por que
O mundo é redondo
se os cérebros são tão quadrados ?

Por que
Vinicius falou de amor em Itapoã
se viveu tardes de côco à sombra do Corcovado ?

Por que
Leis brasileiras são ordens
se os códigos revelam a desordem dos advogados ?

Por que
Lula é um presidente honesto
se seus “companheiros” formam partidos comprados ?

Como
Marcelo Camelo enriqueceu
se ele nunca foi “assim, muito de ganhar…” ?

Como
Chorar miséria alheia através da arte
se toda forma de arte é um protesto particular ?

Como
Blogs femininos podem ser interessantes
se possuem o mesmo linguajar ?

Como
Intelectuais idealizam um mundo melhor
se seus protestos não saem do bar ?

Como
Conseguir um tantinho de paz
se a vida em banda larga não permite respirar ?

Como
O amor transformou-se em troca veloz
se ainda persiste o desejo do altar ?