Archive for the ‘Sem categoria’ Category

EmTerra

9 de novembro de 2013

Talvez meu corpo seja alma.

Talvez nesse reflexo torto

de meio sorriso morto,

sinta calma.

Relâmpagos de reflexões.

Infinitas visões.

Teorias, teoremas, distorções.

Talvez viver a vida seja pouco.

Quero-a louca, solta, rouca.

Talvez minha alma seja corpo.

Tem treta nas transgressões.

Sintonia nas tensões.

Entre trilhas travadas,

trovoadas e trovões.

Talvez nosso corpo seja um nó.

E amarrados numa vida estacionada,

nossa alma é uma só.

Mais Claro Que Transparente

20 de março de 2012

Não me importo de termos mundos diferentes.

Desde que a nossa vontade seja igual.

Do platônico ao real.

Game Over Love Rules. But I Can Sing a Simple Blues.

26 de julho de 2011

She cut out my heart

Today I cut my hair

The Love game is an art

The Life game is unfair

She gave up playing

I should understand

There is a past in the way

but i can’t just be her lover friend.

Maybe it’s better to go deep in the shadow of my loser steps

Or to be far away from the next passion match

Baby I want to know which truth to support

Playing with souls can be a siclky sport

Your sexy accent is still on my lonely bed

Night and day I try to find a way to forget

Cause it is so hard to live without you

Much more than it’s supposed to

Start loving with wisdom

Try one day believing in share

Love is not a self freedom

Love is each other`s care.

Meio e Termo

10 de junho de 2009
Novo eu. Nova parte.
Mais de um ano sem poesia.
Idiossincrasia da palavra.
Energia que não se reparte.
Difícil visão.
Excessiva imaginação.
Esquizofrenia?
Não.
“Esquizofrenarte”!

A Paz dos Pés

17 de agosto de 2007

Definitivamente luto só. Sozinho. E por querer estar. E por querer lutar. Por compreender que a revolucao, agora, passou a ser individual. A minha despertou e não existe forma de manifesto mais conveniente. Protejo meu campo e minha cria. Rezo pelos teus e pelos meus. Para se equilibrar em complexos vínculos, é preciso tragar as energias mais adversas, respeitando tudo aquilo que o limita.